Propaganda enganosa em mídias sociais? Defenda-se!

Compartilhe nas redes!

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Em vários momentos do dia recebemos propaganda de todas as formas possíveis, através de sites, redes sociais, blogueiros e youtubers, cartazes, televisão, rádio, entre outros, mas a oferta pode não ser tão interessante quanto parece.

O Código de Defesa do Consumidor elenca os direitos básicos do consumidor, dentre eles, a proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou desleais.

Igualmente, o CDC proíbe a propaganda enganosa e assegura os direitos do consumidor, mesmo quando ele ainda não comprou o produto ou não contratou o serviço. Nesse sentido, prevê ser enganosa a oferta publicitária, inteira ou parcialmente falsa, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e dados capazes influir na decisão de compra. Ainda, assim também é considerada a omissão, isto é, quando deixa de informar dado essencial do produto ou serviço.

A propaganda enganosa pode ser percebida tanto no momento da tentativa de compra, quando o consumidor é surpreendido com alguns “poréns” que não constavam na oferta publicitária; ou no momento de receber o produto ou serviço e notar diferenças entre o que foi contratado e o que foi entregue.

Ao adquirir um produto ou serviço, é realizado um negócio jurídico entre o consumidor e a empresa contratada, onde a principal cláusula do contrato, é a propaganda, ainda que não exista documento escrito para formalizar a relação de consumo.

A propaganda é um instrumento para convencimento do consumidor na decisão de adquirir determinado produto ou serviço. Por essa razão, o ofertante tem a obrigação de cumprir o que é anunciado.

Nesse sentido, a oferta e apresentação de produtos ou serviços devem conter informações corretas, claras, precisas, ostensivas e em língua portuguesa sobre suas características, qualidades, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade e origem; e, ainda, destacar os riscos que apresentam à saúde e segurança.

O ordenamento tem como princípio a boa-fé, que deve ser observada nas campanhas publicitárias. Assim, a oferta deve ser suficientemente precisa, pois obriga o fornecedor a cumpri-la e integra o contrato que vier a ser celebrado

Em consequência deste princípio, não se considera propaganda enganosa e, tampouco, obriga o ofertante, a publicidade com erro grosseiro. Como, por exemplo, anunciar uma televisão por R$ 20,00 (vinte reais), quando é de conhecimento geral que o valor é em torno de R$ 2.000,00 (dois mil reais).

Entretanto, cabe ao ofertante a obrigação de provar a veracidade e a correção de informações ou comunicação publicitária.

O consumidor prejudicado tem o direito de escolher a alternativa que mais lhe convém: (1) receber exatamente o que foi ofertado; (2) escolher outro produto ou serviço equivalente; (3) rescindir o contrato e ter o valor devolvido, acrescido de correção monetária.

Frisamos que o diálogo sempre é o primeiro passo para a solução de um problema. No entanto, se o resultado não for satisfatório, o consumidor pode recorrer ao Poder Judiciário para obter a reparação do dano sofrido em razão da propaganda enganosa, que pode ser a concretização de um contrato conforme a propaganda, reparação de danos materiais, indenização por danos morais, ou outro pedido relacionado a oferta publicitária.

Por fim, cabe mencionar que o pedido de indenização por dano moral deve ser embasado com provas que demonstrem prejuízo efetivo, bem como a relação entre a propaganda e o dano em si. Um mero mal-estar ou chateação não é considerado fundamento para obter sucesso na demanda judicial, de acordo com o entendimento majoritário da atual jurisprudência.

Classifique nosso post post

Fique por dentro de tudo e não perca nada!

Preencha seu e-mail e receba na integra os próximos posts e conteúdos!

Compartilhe nas redes:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Posts Relacionados

Validade Jurídica de Contratos Virtuais

Há algum tempo caminhamos para a virtualização de inúmeras relações, inclusive a assinatura de contratos. A tecnologia e os aplicativos cada vez mais modernos, nos permitem reunir e contratar a distância. Durante a pandemia, essa modalidade passa a ser importantíssima,

O que fazer com pacotes, hotéis e eventos cancelados

É sabido que o setor do turismo foi um dos mais afetados pelas restrições e medidas de combate ao Coronavírus e, desde o final de março, inúmeros hotéis e pousadas já suspenderam as suas atividades. Há poucos dias foi publicada

Recommended
Alterações na CLT pela Lei da Liberdade Econômica - pequeno…
Cresta Posts Box by CP
Back To Top
Open chat